Monthly Archives: Março 2012

Millôr Fernandes sobre o acordo ortográfico.

Imagem para chamar frases de Millôr Fernandes

“O Acordo Ortográfico é uma merda!”

Leia mais aqui

Deixe um comentário

Filed under ACORDO ORTOGRÁFICO, Portugal

Rolex

A hipocrisia não tem limites. Afinal de contas os camaradas e revolucionários a soldo, também gostam dos luxos do capitalismo que eles pretensamente combatem.

Deixe um comentário

Filed under Democracia, Desesperados, Dinossauros

Ana Pereirinha diz o que pensa sobre o Acordo Ortográfico

Excelente entrevista do Booktailors  a Ana Pereirinha,  da editora Planeta.

Que pensa do novo Acordo Ortográfico? Sou contra, como tem sido público e tenho afirmado sempre que posso. Não serve a língua, não serve a liberdade de pensamento ao cortar as raízes com a memória da língua. A simplificação sempre foi a mãe de todos os totalitarismos, mas uma simplificação feita à martelada, então, é sem comentários. Este «Acordo» não serve rigorosamente ninguém, a não ser alguns interesses políticos e económicos localizados e a falta de ideias para a área da Cultura, onde, aí sim, faz, e fez, muita falta para mostrar serviço. A riqueza da Língua Portuguesa no mundo está na sua diversidade, e é uma riqueza inalienável. Em contraste com um Acordo que não tem lógica nem rigor e que já ninguém quer mas onde o poder político não recua para salvar uma face que não tem, de resto, salvação possível. Fico feliz da vida, a rebentar de orgulho, quando ouço o Rubem Fonseca dizer «nós, portugueses», quando leio que o meu grande, magnífico, Caetano esclarece os poucos resistentes da «modernidade» (versus os botas de elástico…), que, na sua canção «quero roçar a minha língua na língua de Camões» equivale a «o Acordo Ortográfico é uma maluquice», ou quando o Jornal de Angola publica um editorial em defesa do português etimológico. Não direi a minha pátria, mas a minha terra, o meu húmus, é a língua portuguesa, sim, senhores: sou brasileira, sou angolana, sou moçambicana, sou timorense — com um orgulho imenso e um entendimento pleno. Não tenho o português «bom» — cresci a ler quadrinhos brasileiros, como toda a minha geração, e a aprender muitas coisas novas e expressões diferentes com isso. Entendi e entendo o português do mundo: estou-me nas tintas se os estrangeiros o aprendem com sotaque brasileiro ou português, é-me rigorosamente igual. Vivo no mais antigo e mais pobre país onde se fala português? Não estou em bicos de pés. E entendo que as minhas raízes são gregas, latinas e árabes. Lá está, somos todos «gregos» e andamos a ver-nos gregos por disparates sem fim, com este desacordo sem tom nem som.

Leia tudo aqui.

1 Comentário

Filed under ACORDO ORTOGRÁFICO, Portugal

O pateta de serviço da extrema esquerda.

Declarações de Otelo Saraiva de Carvalho “não são para levar a sério”

O presidente da Associação dos Oficiais das  Forças Armadas (AOFA) considerou hoje que as declarações de Otelo Saraiva  de Carvalho, que disse ser contra manifestações de militares, “não são para  levar a sério”.
Fonte:  SIC Noticias

 

Segundo parece, Otelo Saraiva de Carvalho voltou a sugerir um golpe militar para derrubar o governo. Acho bem que o faça.

De cada vez que Otelo abre a boca, fica mais claro que tipo de regime alternativo propõem alguns democratas da nossa praça.

Para além de criminoso, Otelo é um tonto. Já que não pode estar preso, deviam dar-lhe um programa de humor. Para isso, bastava que  o deixassem falar a sério.

O Óscar fez uma revolução. Houve quem pensasse que o fazia pelo País. Engano. Rapidamente se tornou conhecido por emitir mandatos de captura em branco, discricionários e sem critério. O País generoso, perdoou-lhe as loucuras do PREC, mas logo Óscar achou que o poder era seu por direito e voltou a aterrorizar. Desta vez contra a democracia, com mais sangue e cobardia. Com o seu gang de revolucionários, Óscar assaltou bancos, e assassinou 17 pessoas e chantageou o Estado de direito.

O País foi novamente magnânimo e perdoou-lhe por algo, do qual ele nunca se arrependeu. Até o promoveu. Passou-lhe um salvo conduto vitalício,  o que lhe permite dizer as maiores atrocidades, ter eco na imprensa, sem que haja alguém a lembrar o seu cadastro.

Óscar não foi generoso nem tão pouco corajoso, foi muito pouco inteligente e nunca se retratou. Óscar continua a achar-se acima da lei. Já o Estado, não pode permitir que haja cidadãos, mesmo que  intelectualmente indigentes, mas não inimputáveis, digam atrocidades  e incitem a motins e revoluções.

Um Estado pequeno não implica que seja fraco. Mas, se a justiça não reage e não funciona, deixa fragilidades com marcas profundas e difíceis de curar.

PS. Óscar – Nome de código de Otelo Saraiva de Carvalho, enquanto líder operacional das FP-25 de Abril. Facto julgado e provado em tribunal. Entre os crimes de que foi  acusado e condenado, esteve o assassinato de 17 pessoas inocentes, de uma forma fria, brutal e cobarde. Apesar disso, Otelo foi promovido a Coronel, por proposta do Almirante Martins Guerreiro e despacho conjunto do Ministro da Defesa Severiano Teixeira e das Finanças Teixeira dos Santos, com uma indemnização três vezes superior, aquela que receberam as vitimas que assassinou.

Fonte: 31 da Armada

Deixe um comentário

Filed under Democracia, Desesperados, Dinossauros, História, Política Caseira, Portugal

Pois…

 

Deixe um comentário

Filed under Democracia

Acordo Ortográfico – Desobediência civil.

O chamado “acordo ortográfico” : um descaso político e jurídico

Leia aqui no Diário de Notícias

Deixe um comentário

Filed under ACORDO ORTOGRÁFICO, Portugal