Quem não acredita no MPLA?

A UNITA diz que o MPLA está a utilizar a violência (prisões, agressões, mortes) contra os seus simpatizantes. O MPLA desmente e diz que é tudo encenação e desespero do Galo Negro. Como é óbvio, eu acreito no MPLA pelas razões que a seguir apresento.

O MPLA tem razão, desde logo porque, por exemplo, os cabindas são terroristas, tanto quanto foram os timorenses que lutaram contra o domínio colonial e ocupacional da Indonésia; tanto quanto os milhares de mortos do 27 de Maio de 1977.

Aliás, todo o mundo sabe que durante a guerra civil o MPLA só usava armas inteligentes (já para não falar dos seus militares) que distinguiam os alvos: se fossem militares… acertavam, se não fossem… desviavam. Já as da UNITA matavam tudo quanto aparecesse pela frente.

Todos sabem também que se o MPLA praticou algum tipo de terrorismo, era inequivocamente um terrorismo bom. O que se passou no dia 27 de Maio de 1977 (40 mil mortos) e até agora é prova disso.

Aliás, o terrorismo é qualificado em função do número de vítimas e de os seus dirigentes serem, ou não, primeiros-ministros ou presidentes. Por ser responsável por três mil desaparecidos, Augusto Pinochet e o seu governo são uns monstros. Já por ter morto Nito Alves e apenas mais 39 999 compatriotas, o MPLA é um exemplo para a humanidade.

Sabe-se agora que no massacre de Luanda que visou o aniquilamento da UNITA e cidadãos Ovimbundus e Bakongos, e que se saldou no assassinato de 50 mil angolanos, entre os quais o vice-presidente da UNITA Jeremias Kalandula Chitunda, o secretário-geral Adolosi Paulo Mango Alicerces, o representante na CCPM, Elias Salupeto Pena, e o chefe dos Serviços Administrativos em Luanda, Eliseu Sapitango Chimbili, foi tudo obra da própria UNITA.

Sabe-se agora que o massacre do Pica-Pau em que no dia 4 de Junho de 1975, perto de 300 crianças e jovens, na maioria órfãos, foram assassinados e os seus corpos mutilados no Comité de Paz da UNITA em Luanda… foi tudo obra da própria UNITA.

Sabe-se agora que o massacre da Ponte do rio Kwanza, em que no dia 12 de Julho de 1975, 700 militantes da UNITA foram barbaramente assassinados, perto do Dondo (Província do Kwanza Norte), perante a passividade das forças militares portuguesas que garantiam a sua protecção foi tudo obra da própria UNITA.

Sabe-se agora que o facto de mais de 40.000 angolanos terem sido torturados e assassinados em todo o país, depois dos acontecimentos de 27 de Maio de 1977, acusados de serem apoiantes de Nito Alves ou opositores ao regime foi tudo obra da UNITA.

Sabe-se agora que o facto de, entre 1978 e 1986, centenas de angolanos terem sido fuzilados publicamente nas praças e estádios das cidades de Angola, uma prática iniciada no dia 3 de Dezembro de 1978 na Praça da Revolução no Lobito, com o fuzilamento de 5 patriotas e que teve o seu auge a 25 de Agosto de 1980, com o fuzilamento de 15 angolanos no Campo da Revolução em Luanda… foi tudo obra da UNITA.

Sabe-se agora que o facto de no dia 29 de Setembro de 1991 ter sido assassinado, em Malange, o secretário Provincial da UNITA Lourenço Pedro Makanga, a que se seguiram muitos outros na mesma cidade foi tudo obra da UNITA.

Sabe-se agora que o facto de em Junho de 1994, a aviação ter bombardeado e destruido a Escola de Waku Kungo (Província do Kwanza Sul), tendo morto mais de 150 crianças e professores, foi tudo obra da UNITA.

Sabe-se agora que o facto de entre Janeiro de 1993 e Novembro de 1994, a aviação ter bombardeado indiscriminadamente a cidade do Huambo, a Missão Evangélica do Kaluquembe e a Missão Católica do Kuvango, tendo morto mais de 3.000 civis, foi tudo obra da UNITA.

Sabe-se agora que o facto de entre Abril de 1997 e Outubro de 1998, na extensão da Administração ao abrigo do protocolo de Lusaka, terem sido assassinados mais de 1.200 responsáveis e dirigentes dos órgãos de Base da UNITA em todo o país… foi tudo obra da UNITA.

Por isto tudo, quem não acredita no MPLA?

in Alto Hama

 

Anúncios

Deixe um comentário

Filed under Angola, Comunismo, Direitos Humanos

Deixe uma Resposta

Please log in using one of these methods to post your comment:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s