SOBRE O ACORDO ORTOGRÁFICO

Post  de Maria do Carmo Vieira:

Passando por Lisboa, em Abril de 1952, com destino a Paris, para assistir às comemorações em homenagem a Victor Hugo, e questionado por um repórter do «Diário de Lisboa», cuja entrevista foi reproduzida em alguns jornais brasileiros da época, Graciliano Ramos, o autor de Vidas Secas, Angústia ou Memórias do Cárcere, entre muitas outras obras, afirmou:”Portugal e Brasil são um todo, tão juntos, tão irmanados que penso ninguém pode cortar o cordão umbilical que os une… A nossa língua é a língua portuguesa. Quiseram um dia criar, artificialmente, a língua brasileira… Disparate. […] Estamos aqui a falar português, e não brasileiro e português, não é verdade? [1]

Hoje, questionamo-nos sobre como, ingenuamente, sem uma luta consistente e duradoura, deixámos progredir uma aventura «cozinhada» por um grupo de linguistas, portugueses e brasileiros, arvorados em «donos da língua» portuguesa. Refiro-me obviamente ao Acordo Ortográfico (AO) de 1990 e à cumplicidade de encontros sem discussão pública, numa ostensiva indiferença à reacção crítica dos seus pares, destacando-se, entre muitos outros, o nome do linguista António Emiliano, com três livros publicados contra este AO, e dos próprios falantes.

Raiando o absurdo, ficámos a saber que houve linguistas brasileiros, «os mais radicais», que propuseram a substituição de «língua portuguesa» por «língua brasileira» atendendo, entre outras situações, à grandeza do número de habitantes. A propósito deste último argumento, tão caro também ao ex-Ministro da Cultura, citaria as palavras eloquentes de Francisco Miguel Valada [2], salientando que a CPLP (Comunidade de Países de Língua Portuguesa) «não existiria sem a língua portuguesa» ou que «A partir do momento em que pensarmos a língua exclusivamente em termos de dimensão populacional, área territorial ou poder económico, abriremos as portas para a justificação da adopção de qualquer instrumento técnico, independentemente da sua péssima qualidade».

Por detrás da bizarra e artificial «evolução da língua» por decreto, ou da pretensa preocupação em facilitar a compreensão, preconizando a uniformidade, escondem-se mal disfarçadas, estratégias político-económicas, em favor do Brasil, o elo mais forte, na perspectiva da dimensão populacional, ostensivamente invocada. Daí o não cumprimento do estabelecido, na pressa da entrada em vigor do Acordo, aceitando-se como natural a sua ratificação apenas por três dos oito países que integram a CPLP (Portugal, Brasil e Cabo-Verde), e excluindo-se à boa maneira colonizadora os restantes. Uma situação característica de jogos de interesses manipulados pelo mais forte, aquele que tem uma «maior capacidade de actuação», o que é intolerável quando o elemento preponderante da jogada constitui um património colectivo.

Um dos argumentos esfarrapados com que nos brindaram foi o facto de em traduções, sobretudo a nível da UE, poderem surgir equívocos na compreensão de algumas palavras, como se escrever «adoção» à maneira brasileira ou «adopção» à maneira portuguesa dificultasse o seu entendimento. Paradoxalmente, o problema já não se coloca se, no cumprimento do estabelecido pelo AO, os brasileiros escreverem «recepção» porque pronunciam o «p» e os portugueses «receção» porque o não pronunciam.

Na lógica subjacente à elaboração deste Acordo (escrever como se pronuncia), não deixa de ser extraordinário que o Professor Carlos Reis, um dos seus mais fervorosos apoiantes, contrarie agora (o Acordo entrou em vigor a 1 de Janeiro de 2010) aquilo que então defendeu. Assim, encontramos no texto que publicou no último JL, a propósito do V Congresso Internacional da Língua Espanhola, «objecto», «susceptível», «sectores»,«projectos», várias vezes «acção», palavras que assim escritas testemunham efectivamente a sua história etimológica, remetendo para a sugestiva frase de Bernardo Soares, no seu Livro do Desassossego, «A ortographia também é gente».

Em suma, o Acordo Ortográfico de 1990 «não veio resolver problema algum, já que nunca se verificou a mais ínfima dificuldade decorrente da existência de duas grafias oficiais da Língua Portuguesa», e o grupo de trabalho que o elaborou não só não teve em conta «a opinião da população em geral […] soberanamente desprezada», como ignorou «todos os pareceres das diversas entidades que sem qualquer hesitação condenaram o Acordo, no espírito, na forma e no conteúdo» [3]. Também no seguimento da petição entregue na Assembleia da República, subscrita por 32.000 cidadãos, a Comissão de Ética, Sociedade e Cultura emitiu um relatório (8.04.09), lembrando que «as preocupações e os alertas dos peticionários devem ser tidos em conta, do ponto de vista técnico e político, a curto e a médio prazo», recomendação que, aliás, não teve qualquer efeito prático.

João Pedro Graça, tradutor, não resignado com a situação, lançou a ideia, e nela persistiu, de concretizar uma Iniciativa Legislativa de Cidadãos (ILC), com força de projecto de lei, no intuito de pedir a suspensão da resolução da Assembleia da República nº 35/2008 relativa à aprovação do AO. E porque para a Assembleia da República aceitar discutir a ILC são necessárias 35.000 assinaturas, fica o apelo a todos os que se opõem ao Acordo Ortográfico que consultem o endereço electrónico http://ilcao.cedilha.net , onde poderão encontrar o texto da Iniciativa Legislativa, bem como documentação relativa ao modo de assinar e de recolher assinaturas.

Maria do Carmo Vieira

NOTAS

[1] «Prefácio» de João Alves das Neves in Graciliano Ramos (colecção «Antologia do Conto Moderno»).Coimbra, Atlântida, 1963.

[2] «O Acordo Ortográfico e o Sistema Solar», in Público de 3 de Abril de 2010. É também autor de Demanda, Deriva, Desastre – os três dês do Acordo Ortográfico. (Textiverso, 2009)
[3] Extractos retirados do texto da ILC.

in De Rerum Natura

15 de Abril de 2010

Anúncios

Deixe um comentário

Filed under ACORDO ORTOGRÁFICO

Deixe uma Resposta

Please log in using one of these methods to post your comment:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s